Início / Notícias / Saúde / Janeiro Roxo: urupeenses participam de campanha contra hanseníase
Saúde |
Por Luís Fernando da Silva, Assessoria de Imprensa
Janeiro Roxo: urupeenses participam de campanha contra hanseníase
Urupês possui casos constatados da doença, que, hoje, atinge cerca de 30 mil brasileiros todos os anos
Whatsapp
print

Janeiro foi o mês escolhido para a campanha de combate e de prevenção à hanseníase. Para isso, o sistema público de saúde de Urupês está promovendo diversas ações educativas para a população. O cronograma inclui abordagens nas praças e nas salas de espera dos postos de saúde, além de palestras nos grupos de convivência do CRAS e CREAS.

O que é, sintomas e tratamento

A hanseníase, ainda muito conhecida por seu antigo nome, “lepra”, é uma doença infectocontagiosa que atinge milhares de brasileiros todos os anos. Ela age nos nervos periféricos e na pele e, se não tratada a tempo, pode levar à incapacidade física.

Os principais sintomas são o aparecimento de manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo, com diminuição ou perda da sensibilidade ao calor, à dor e ao toque; áreas com diminuição dos pelos e do suor; caroços e inchaços no corpo, em alguns casos avermelhados e doloridos; e diminuição da sensibilidade e/ou da força muscular de olhos, mãos e pés. Em casos mais avançados pode apresentar dor e sensação de choque, fisgadas e agulhadas ao longo dos nervos dos braços, mãos, pernas e pés.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), a hanseníase é considerada a doença mais antiga da humanidade. Mas, se antigamente não havia conhecimento científico sobre as reais causas e tratamento da doença, hoje em dia a situação é diferente. A hanseníase tem cura, o tratamento é gratuito e está disponível em todo o sistema público de saúde de Urupês. A indicação é que, com o aparecimento de sintomas da doença, a população procure o mais rápido possível um médico do sistema municipal de saúde.

Identificar rapidamente casos de hanseníase é o passo mais importante para um tratamento. Segundo o Ministério da Saúde, “ele é feito por via oral, com uma associação de três antibióticos. Os medicamentos são seguros e eficazes. O paciente deve tomar a primeira dose mensal supervisionada pelo profissional de saúde. As demais são autoadministradas. Ainda no início do tratamento, a doença deixa de ser transmitida. Família e amigos, além de apoiar, também devem ser examinados”.
Notícia impressa de http://urupes.sp.gov.br em 19/07/2019

Saiba mais sobre a Secretaria de Saúde

Receba nossas notícias e atualizações por e-mail